Início » Blog » Como investir em ouro: 4 possibilidades diferentes

Como investir em ouro: 4 possibilidades diferentes

duas barras de ouro sobrepostas em outras barras

O ouro é considerado um dos investimentos mais seguros para quem quer ter mais segurança nos momentos de crise. Valioso e com uma cotação estável, descobrir qual a melhor forma de como investir em outro pode ser uma ótima maneira de proteger seus recursos.

Nesse artigo, vamos te explicar sobre as quatro formas mais comuns para investir em ouro, quais as vantagens e desvantagens desse processo e como investir em ouro pode te proteger em momentos instáveis. Acompanhe a leitura!

Por que investir em ouro é seguro?

Durante uma crise, é comum que os investimentos sofram com quedas bruscas de valores e tragam um pouco de instabilidade aos investidores. Nesse momento, o ouro se mostra como uma ótima alternativa já que sua demanda aumenta e sua valorização cresce.

Quem investe em ouro busca se proteger de alguma instabilidade do mercado e preservar seu patrimônio, por isso, ele não é indicado para quem procura altas rentabilidades. O investimento em ouro é uma grande alternativa para ter uma garantia contra a desvalorização de seus bens.

Como investir em ouro?

Para investir em ouro, você precisa entender e escolher qual maneira quer investir. As quatro formas mais comuns são:

Fundos de Investimentos

Com os fundos de investimentos, é possível investir em ouro de uma forma simples e prática. Ou seja, um grupo de investidores aplica o patrimônio em conjunto em contratos futuros de ouro ou em ativos que têm como fator de risco o preço do ouro.

A estratégia do fundo de investimento fica por conta do gestor que segue estratégias pré-estabelecidas. Nesse caso, você também tem a possibilidade de contratar um gestor especializado que reduz ainda mais os riscos das transações.

Alguns fundos de investimentos focados em ouro podem oferecer aplicações iniciais a partir de R$100.

Bolsa de Valores

Utilizando a bolsa de valores, o investimento funciona de forma direta, como ações de uma empresa. Para conseguir realizar as transações de compra de ouro pela bolsa é preciso criar uma conta em uma corretora. Nesse momento, fique de olho nas taxas e nos serviços oferecidos.

A bolsa de valores do Brasil, a B3, oferece três contratos na aquisição de ouro, sendo eles:

  • OZ1D – Ouro 250g: lote padrão dos contratos de ouro;
  • OZ2D – Ouro 10g: é uma fração do contrato padrão e tem menor liquidez;
  • OZ3D – Ouro 0,225g: mais uma fração do contrato padrão.

O investimento por contrato funciona da mesma forma que qualquer outro investimento, negociando sem a necessidade de estar com o produto, nesse caso o ouro, em mãos. 

O contrato mais comum é o OZ1D, que conta com maior liquidez e permite a retirada física do ouro em uma data pré-estabelecida, com 99,99% de pureza. Além disso, há uma grande facilidade em encontrar compradores e vendedores nesse tipo de contrato e o investidor pode manter o ouro em uma instituição financeira credenciada que pode trazer mais segurança ao bem.

Os contratos OZ2D e OZ3D não permitem a retirada do ouro.

Compra em barra

Nessa situação, o investidor também terá que abrir uma conta em alguma corretora autorizada pelo Banco Central e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Após a transação, você pode escolher se leva o ouro para casa ou faz uma custódia do material.

Essa talvez seja a opção mais arriscada, já que a compra de ouro em barras pode não ser tão vantajosa para quem quer investir. Além do alto risco de roubo ou extravio, ao manter o ouro em casa ele perde a liquidez e caso o investidor queira vender o ativo pode não encontrar compradores pelo preço esperado.

COE

O COE, Certificado de Operações Estruturadas, é utilizado para mesclar aplicações de renda fixa e variável em um só lugar. Ele possui um valor mínimo de investimento e um indexador definido, além de contar com uma data de vencimento.

Para emitir o COE, você precisa procurar uma instituição financeira e garantir que o seu certificado esteja registrado na B3. Após o processo de emissão, o banco gera prováveis cenários para analisar o desempenho da COE, no caso do ouro, essa possibilidade pode mudar de acordo com a cotação.

Caso o valor do ouro caia, você recebe o dinheiro de volta, mas se houver uma alta, os rendimentos são interrompidos na porcentagem combinada entre o investidor e o banco.

Os riscos do COE se dão pela ausência do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) e a possibilidade de perder dinheiro caso você decida sacar antes do vencimento. Sem o FGC, o investidor pode não receber seu investimento caso a instituição falir, por exemplo.

Quais as vantagens e desvantagens de investir em ouro?

Saber como investir em ouro envolve entender sobre as vantagens e desvantagens dessa modalidade. Por isso, vamos apresentar algumas características para analisar sua escolha no investimento de ouro:

Vantagens

  • Pode ser considerado como uma reserva de valor;
  • Protege o investidor contra as oscilações do mercado;
  • Sempre terá valor no mercado;
  • Pode ser ainda mais valorizado em momentos de crise.

Desvantagens

  • Se mantido em casa, pode ser roubado;
  • Não possui FGC;
  • O contrato mais vantajoso, OZ1D, é o mais caro;
  • O preço é variável.

Conclusão

Você acabou de conhecer boas alternativas para decidir qual a melhor maneira de começar investir em ouro. Esse tipo de investimento é um grande aliado para quem busca manter e proteger seu patrimônio em momentos de crise.

Os fundos de investimento, o investimento direto na bolsa de valores, a compra em barra e o COE são opções favoráveis para se manter estável em um mercado que muda a qualquer momento.

Por isso, analise bem as vantagens e desvantagens, escolha a melhor opção e comece seu investimento em ouro!