Início » Dicas » Como comprar uma moto?

Como comprar uma moto?

comprar moto é o sonho de inúmeros brasileiros. Nós podemos ajudar você a comprar a sua!

A motocicleta é um dos meios de transportes mais conhecidos pelos brasileiros, afinal vários serviços de entregas são realizados por meio delas. Visando uma maior autonomia financeira ou para alcançar um sonho antigo, comprar uma moto pode ser bastante vantajoso.

Mas você sabe o que deve levar em conta na hora de fechar negócio? Veja algumas dicas para comprar a moto ideal para você!

O que devo saber antes de comprar uma moto?

O objetivo de muitos brasileiros é comprar um veículo. Ao possuir uma moto você tem mais conforto e autonomia sem depender do transporte público. As motos são ótimas escolhas para quem quer um veículo que não ocupa tanto espaço e que tem um preço mais acessível quando comparado a um carro, por exemplo.

Com o atual momento da economia, as motos estão se tornando um bom investimento, principalmente para as empresas que oferecem serviços de entrega. Você deve analisar se utilizará a motocicleta para trabalho ou passeio antes de comprá-la. Por isso, é natural que algumas pessoas enxerguem esse veículo como uma oportunidade para melhorar de vida!

O primeiro passo para saber qual moto comprar é analisar e conhecer suas necessidades pessoais. Isso inclui anotar todos os gastos pessoais, avaliar o que é essencial e o que é supérfluo e verificar se possui alguma dívida em seu nome.

Caso tenha pendências financeiras, coloque-as como prioridade para liberar o seu nome e dar andamento com a compra de sua futura moto.

Nesse planejamento financeiro, é possível enxergar detalhadamente onde pode economizar e começar a pensar em uma estratégia para estar mais perto da sua moto. Você pode estipular prazos para juntar uma quantia e, aos poucos, conseguir o valor necessário para a entrada ou até a quitação do valor total, por exemplo.

O que avaliar na hora de escolher uma moto

Agora que você definiu as estratégias e metas, comece a pesquisa do modelo e marca da motocicleta. Ela deve se adaptar às suas necessidades, principalmente se a sua intenção é usá-la para fins profissionais, como transporte para ir ao trabalho ou para passeio.

Nesse momento, veja marcas, preços e decida se quer um modelo novo, seminovo ou usado.

Cada uma das opções possuem prós e contras. Ou seja, mesmo que comprar uma moto zero quilômetros seja mais benéfico, ela trará gastos com emplacamento e documentação. Com os modelos usados, é ideal levar a moto para uma avaliação com um mecânico de sua confiança a fim de evitar problemas graves.

Lembre-se, a compra de uma moto deve ser para o seu benefício pessoal. Isso significa que é preferível que ela não te arranje dores de cabeça com manutenções e reparos constantes. Pesquise com calma e anote as vantagens e desvantagens de cada tipo de moto para que a sua escolha seja certeira.

Não esqueça de incluir na conta todos os gastos envolvidos na compra da moto. Documentação e outras papeladas devem ser somados, mas também faça uma estimativa de quanto gastará com combustível, seguro e se terá de pagar uma garagem para manter a motocicleta segura.

Como comprar uma moto parcelada?

Após realizar todo o levantamento financeiro, chegou a hora de decidir como pagar pela moto. Mesmo que as motocicletas sejam mais baratas que um carro ou até um imóvel, essa compra também se caracteriza pelo alto valor investido. Então, comece o seu planejamento o quanto antes para que haja a possibilidade de pagamento à vista.

Mas, não é todo mundo que consegue juntar dinheiro ou que tem a oportunidade de se programar financeiramente para uma compra mais cara. Por isso, muitas empresas liberam crédito para quem quer comprar uma moto de forma parcelada sem precisar de muita burocracia.

Por terem um valor mais alto, não é recomendado parcelar o pagamento da moto em um cartão de crédito, sendo mais fácil solicitar um crédito em alguma instituição financeira de confiança. Dentre todas as modalidades disponíveis, as mais populares e acessíveis são o financiamento, o empréstimo e até o consórcio.

Prós e contras de cada modalidade de crédito

Cada uma das opções possui suas próprias regras quanto a prazo e as porcentagens de taxas cobradas também variam. Para quem precisa adquirir uma motocicleta com certa pressa, o financiamento de moto e o empréstimo possuem a agilidade do processo como vantagem. Mas, se você está iniciando o seu planejamento e tem dificuldade de guardar dinheiro, o consórcio de moto pode ser o mais indicado para a sua realidade.

Como falamos anteriormente, é ideal que você dê entrada nas documentações e processos de compra da moto quando estiver com suas dívidas pagas. Ter o nome limpo e ser um bom pagador fará toda a diferença na hora de solicitar um financiamento. Isso porque a instituição financeira irá analisar os seus dados com o intuito de saber qual o seu comportamento de consumo.

Essa etapa é muito importante para o banco, já que apenas desse modo ele saberá se você pode ser inadimplente, se paga suas contas em dia e evita correr riscos nessa operação. Cada empresa possui sua política de concessão de crédito, então procure uma instituição que possa atender suas necessidades.

Tenho que dar valor de entrada?

O consórcio é o único crédito onde você não precisa pagar entrada para fechar o acordo. Essa modalidade tem um funcionamento diferente das demais e é oferecida por bancos ou administradoras registradas e autorizadas pelo Banco Central.

Quanto ao financiamento, os bancos dificilmente vão disponibilizar o valor total do bem. Isso significa dizer que, geralmente, você paga uma quantia referente a entrada e o resto é parcelado.

Na maioria dos casos, a entrada equivale de 20 a 30% do valor total do bem e o contrato só é assinado após esse pagamento. Todos os bens que são financiados se encaixam em um tipo de garantia para a instituição, se caracterizando como um objeto em alienação fiduciária.

A alienação fiduciária é uma transação que funciona como uma segurança para a empresa responsável pelo financiamento. Isso significa que o mesmo bem que foi pago de forma financiada é a garantia do pagamento. Por exemplo, ao comprar uma moto financiada, se por acaso você se torne inadimplente, o banco tem total liberdade de tomar a motocicleta e levá-la para leilão.

O empréstimo de garantia também permite esse tipo de alienação, afinal de contas ele consiste em declarar um bem à parte, como imóvel ou carro, para a segurança da quitação das prestações. Por conta disso, o empréstimo de garantia diminui a porcentagem de juros, o que pode viabilizar o crédito de forma favorável.

Conclusão

Comprar uma moto é um ótimo investimento para quem está em busca de um novo meio de transporte ou até mesmo de uma nova oportunidade de trabalho. Mas essa compra deve ter todos os detalhes planejados com antecedência para que você usufrua desse bem sem passar por apertos financeiros.

Uma das etapas mais importantes é a realização de uma análise financeira pessoal para calcular os gastos envolvidos nesse tipo de negociação e trilhar uma estratégia com o intuito de alcançar esse objetivo da maneira menos burocrática possível.

Após a avaliação dos gastos e ganhos, pense se a solicitação de crédito pode ser vantajosa para o seu caso. O financiamento, empréstimo e consórcio são ótimas opções para quem quer ou precisa comprar uma moto de forma simples que cabe no orçamento. Cada uma das modalidades tem suas próprias regras e condições, fique atento a isso!

Para comprar uma moto, você também precisará desembolsar um valor referente a entrada, como um sinal para a concessionária e para o banco que comprova o seu comprometimento no pagamento das parcelas restantes.

Lembre-se de que ao optar por financiar sua moto, ela passa a ser um bem com alienação fiduciária e caso você se torne inadimplente, o banco ou credora poderá tirá-la de você. Por isso, se organize financeiramente e pague as parcelas em dia!

Agora que você já entendeu como é fácil comprar uma moto, comece seu planejamento hoje mesmo!

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.