Início » Empréstimo » Empréstimo para MEI: entenda como funciona

Empréstimo para MEI: entenda como funciona

Duas mulheres frente a frente em situação de contratar o empréstimo para MEI

Desde a última década, o Brasil vem em uma crescente no número de novos Microempreendedores Individuais: já são mais de 10 milhões no total. Atentos a esse mercado de novas empresas que nascem diariamente, os bancos passaram a oferecer a alternativa de empréstimo para MEI.

Se você já tem um CNPJ nessa categoria e quer saber como funciona a modalidade de crédito especial para microempreendedores, acompanhe este post até o fim que vamos te dar todas as dicas!

Como funciona o empréstimo para MEI?

Assim como outras formas de crédito pessoal, o empréstimo para MEI é uma oportunidade de conseguir uma quantia extra, mas com o foco voltado para a sua empresa. Você pode utilizar o dinheiro para investir em equipamentos ou treinamentos, para manter mais dinheiro em caixa, para expandir seus negócios e até para quitar dívidas.

Isso porque muitas vezes o Microempreendedor Individual inicia sua empresa sem muito planejamento e acaba precisando de crédito ao longo do caminho. Foi por isso que as instituições financeiras começaram a ofertar essa alternativa, até mesmo para oferecer condições específicas para esse perfil de empreendedor, que normalmente enfrenta mais dificuldades para comprovar renda.

Quais as principais condições?

Hoje já são várias as instituições financeiras que disponibilizam crédito para MEI. Contudo, as taxas de juros variam para cada banco, e as melhores condições costumam ser concedidas pelos bancos públicos.

Mas é sempre válido consultar com a instituição que você já possui vínculo o que eles podem te possibilitar, levando em conta seu histórico e sua relação com o banco. A boa notícia é que as taxas de juros para MEI são bem menores do que as tarifas para grandes empresas.

Uma facilidade neste tipo de empréstimo é que você pode fazer a solicitação online, e a única exigência é que seu CNPJ esteja ativo. Dependendo do seu tipo de empreendimento, o banco poderá oferecer uma linha de crédito específica para o segmento, com ainda mais vantagens.

O valor emprestado vai variar conforme a sua comprovação de renda e finalidade do empréstimo, mas o limite máximo oferecido costuma ser de R$ 20 mil.

Para quem vale a pena?

O empréstimo para MEI parece muito semelhante com outras formas de conseguir crédito. Porém, além das tarifas especiais, há outra característica que o microempreendedor deve prestar atenção.

Para solicitar esse tipo de concessão financeira, você terá que apresentar um planejamento para o dinheiro a ser emprestado. Portanto, o ideal é preparar um plano de investimento, para mostrar como você prevê que a verba irá auxiliar a empresa.

Se for para cobrir dívidas, você pode explicar como isso impactará no futuro dos seus negócios e como será importante para a criação de um fluxo saudável. No entanto, caso a ideia seja investir na empresa, desenhe as possibilidades de crescimento do empreendimento a partir do dinheiro aplicado.

O importante é que você consiga comprovar que existe planejamento nesta solicitação de empréstimo MEI. O banco precisa entender qual será o impacto do investimento, pois é uma forma de garantia de que você irá produzir mais renda para conseguir quitar sua dívida com eles no prazo previsto.

Passo a passo de como fazer um empréstimo MEI:

Estas são as principais etapas para conseguir crédito como Microempreendedor Individual:

1 – Escolha do banco

Ali em cima já citamos que os bancos públicos (Caixa, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento) normalmente oferecem melhores condições. Por ser uma modalidade consideravelmente nova de empréstimo, nem todas as instituições financeiras oferecem.

Em compensação, alguns bancos proporcionam critérios específicos para cada demanda de microempreendedores. Por exemplo, se o empréstimo for para investir em infraestrutura, a quantia liberada será maior do que se for para pagar dívidas da empresa.

Analise todas as possibilidades e faça simulações online, de forma gratuita, nos sites dos bancos. Do mesmo modo, preste atenção nas taxas de juros e na quantidade de prestações oferecidas.

2 – Separe os documentos básicos

Como em toda aprovação de crédito, você terá que fornecer ao banco uma série de documentos. Como por exemplo:

  • Cópia do RG e do CPF;
  • Comprovante de residência atualizado;
  • Certificado MEI;
  • Comprovantes de renda (pessoa física e jurídica);
  • Plano de investimento (um documento que mostre qual o seu planejamento e finalidade do empréstimo).

3 – Comprove sua renda

Quando for entregar os documentos ao banco, a parte mais difícil provavelmente será a de comprovação de renda. Afinal, o Microempreendedor Individual normalmente não possui uma renda fixa, muito menos contracheques.

Mas calma que existem algumas formas de fazer essa validação. Estas são as possibilidades:

  • Extratos bancários, preferencialmente dos últimos 6 meses. Assim é feita uma média da renda do MEI (nem todos os bancos aceitam essa comprovação, confirme com a instituição de sua escolha);
  • Declaração de Imposto de Renda;
  • Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (Decore). O Decore é um documento que só contadores podem emitir (caso você não tenha um contador, não se preocupe, o Decore não é essencial);
  • Cópia do livro-caixa da empresa;
  • Declaração anual do MEI;
  • Notas fiscais emitidas;
  • Recibo de pagamento de autônomo (RPA);
  • Guias de pagamento de contribuição previdenciária individual;
  • Contratos de prestação de serviço;

4 – Envie a solicitação e aguarde a análise de crédito

Com todos os documentos necessários reunidos, por fim, envie sua solicitação para a instituição financeira. O processo pode demorar um pouco mais em bancos públicos. No entanto, fique atento que às vezes em poucas semanas o banco chama você.

A análise de crédito irá checar a veracidade da sua documentação e as suas reais condições de pagar as parcelas de um empréstimo. É importante saber que a probabilidade de conseguir o crédito caso o seu nome esteja sujo é menor, mas ainda assim existem algumas instituições que autorizam a transação, porém com limites menores.

Então, se o banco aprovar, é só aguardar a liberação e começar a pagar as prestações no mês seguinte.

Agora que você sabe como fazer um empréstimo para MEI, lembre-se que é muito importante planejamento financeiro antes de se comprometer com parcelas e juros. Mas se você fizer tudo com organização, sua empresa tem tudo para crescer!

Dica bônus

Você sabe que Microempreendedor Individual trabalha muito e precisa ter total controle sobre o seu orçamento. Nesse sentido, o empréstimo pode acabar sendo um modelo de financiamento com condições nem tão agradáveis assim. Portanto, se esse é o seu caso, que tal considerar a realização de consórcio?  Clique aqui e entenda melhor o que é um consórcio e como funciona!

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.

Marcações: