Início » Financiamento » Financiamento de moto é uma opção de compra rápida, conheça!

Financiamento de moto é uma opção de compra rápida, conheça!

uma moto de alta cilindrada, cinza, preta e amarela

A motocicleta é um meio de transporte que proporciona rapidez, economia e conveniência, além de não ocupar muito espaço para armazenamento. No entanto, embora mais barata do que outros veículos, não são todas as pessoas que podem fazer a aquisição à vista.

Se você quiser comprar uma Honda CG 160 Titan, por exemplo, deve se preparar para investir cerca de R$12.240,00. Se não tiver esse montante na sua conta, o financiamento de moto, oferecido por algumas instituições financeiras, pode viabilizar o pagamento.

É claro que o custo da motocicleta não é o único valor a ser avaliado! Antes de comprar, lembre-se de que o veículo originará outros custos, como o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), despesas com manutenção e com seguro.

No entanto, financiar uma moto pode ser muito importante para autônomos, por exemplo, que utilizarão a motocicleta para trabalhar. Nesse caso, esse seria um investimento e, portanto, deveria garantir o retorno financeiro.

Este artigo te ajudará a entender como funciona o financiamento de moto no Brasil, quais requisitos são exigidos e como essa modalidade de compra se compara ao consórcio. Se você está considerando contratar um plano, acompanhe a leitura até o final e entenda mais sobre o assunto!

Como funciona o financiamento de moto?

Quando você diz que vai financiar uma moto, basicamente, você está dizendo que vai solicitar um empréstimo por meio do Crédito Direto ao Consumidor (CDC). A aquisição da motocicleta, seja esta nova ou usada, é feita por uma instituição financeira em nome do consumidor.

O valor pago pela moto é parcelado pela empresa que, por seus serviços, cobra uma taxa de juros e algumas outras despesas. A cobrança incide apenas sobre a parte parcelada, e não sobre o valor de entrada investido — o percentual mínimo costuma girar em torno de 10% a 30% do preço do veículo à vista.

A taxa de juros é definida em contrato pela instituição financeira, portanto, sinta-se livre para negociar! Para saber o percentual, você deve entrar em contato com cada empresa ou pode, ainda, fazer uma estimativa com base no Relatório de Taxa de Juros do Banco Central do Brasil.

Outra solução que pode te ajudar na estimativa é a Calculadora do Cidadão. Suponha que você queira comprar uma Fazer 150 UBS da Yamaha que custa R$12.490,00 à vista, em 60 meses, a 1,17% de juros mensais. Ao colocar esses dados no site, receberia como resultado R$17.452,80.

Este é, no entanto, o Custo Efetivo Total. Ainda somariam tributos, seguro, outras tarifas e despesas. No entanto, o valor é aproximado ao que você efetivamente pagaria pelo financiamento da moto. Além disso, não foi considerado um valor de entrada, o que poderia reduzir os juros.

Quem pode solicitar o financiamento?

Qualquer pessoa pode comprar uma motocicleta por meio de financiamento. Desde que a aprovação aconteça na análise de crédito da instituição financeira, que considera fatores como dívidas, histórico de pagamentos e renda. Além disso, costuma-se impor limites ao modelo. Se você quiser financiar uma moto antiga ou com muito tempo de uso, pode encontrar dificuldades.

Na análise de crédito, as instituições financeiras também verificam o cadastro do consumidor em órgãos de proteção ao crédito, como o SPC e o Serasa. Por isso, o financiamento de moto para negativados também costuma ser um desafio. Geralmente, não é aceito. 

Se esta for a sua condição atual, é importante que, antes de solicitar o crédito, você quite as suas dívidas. No entanto, ainda que seja mais difícil — e, geralmente, custoso —, você pode conseguir financiar a sua moto mesmo com o nome negativado.

Para isso, você deve procurar uma financeira menor, que aceite clientes com restrição de nome — o vendedor pode te indicar algumas opções —, ou comprar a motocicleta em nome de uma empresa que te pertence. No entanto, muito cuidado, pois seja como for, você fará uma nova dívida que pode não conseguir pagar.

Se o seu nome estiver limpo e você quiser solicitar um financiamento de moto, pode fazer uma simulação nos sites do Bradesco, Santander, Caixa e outras instituições financeiras. Após encontrar a melhor opção, converse com um vendedor e apresente a sua carteira de identidade e comprovantes de renda (como holerite ou extratos bancários) e de residência.

O financiamento de moto é equiparável ao consórcio?

Ao contratar um financiamento, você obtém a moto de imediato, em seu nome, e pode começar a utilizá-la. O mesmo não ocorre no consórcio de motos. Nesse caso, uma empresa junta um grupo de pessoas com objetivos semelhantes e, mensalmente, realiza sorteios e lances para contemplar um ou mais participantes com o valor para a aquisição do bem pretendido.

Sendo assim, você precisa estar ciente que no consórcio pode acontecer de receber sua motocicleta somente no último mês do acordado. A não ser que tenha condições financeiras para adiantar algumas parcelas por meio de um lance, que funciona como uma espécie de leilão. Ainda assim, não há garantia de contemplação antecipada.

A remuneração também difere entre o consórcio e o financiamento de moto e, por consequência, o preço que o consumidor paga pela motocicleta. No financiamento, a taxa de juros é o principal encargo. No consórcio, é a taxa administrativa que, diferentemente da ação dos juros compostos, é linear.

Outra diferença é o reajuste. Anualmente, a prestação mensal do consórcio pode variar de acordo com a oscilação de um determinado índice de mercado, o que não acontece no financiamento.

No entanto, embora soe ruim, essa é uma maneira de garantir o poder de compra do consumidor que, após o período, conseguirá comprar a motocicleta mesmo que seu preço esteja superior.

As regras para inadimplentes também diferem. Se você deixar que o financiamento de moto fique atrasado, o banco pode iniciar uma ação, leiloar o carro e devolver apenas o montante que sobrar após pagamento da dívida e despesas judiciais.

Já o consórcio realiza sorteios entre pessoas inadimplentes e, quando sorteado, você pode receber os valores pagos de volta, após correção e dedução de penalidades previstas em contrato.

Conclusão

Agora você já sabe como funciona o financiamento de moto, quais as principais diferenças entre ele e o consórcio e entendeu se esse é o modelo de compra viável para você. Antes de qualquer decisão de compra, é importante fazer um planejamento financeiro — em especial em casos como esses, em que o valor do produto fica mais caro devido à ação dos juros. 

Por isso, avalie bem o custo total do veículo e estude as suas opções e capacidade de pagamento para fazer uma boa aquisição!

Você gostaria de saber um pouco mais sobre o assunto? Então leia o artigo sobre financiamentos no banco Santander.

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.

Marcações: