Início » Gestão Financeira » Como investir no Tesouro Direto: tudo para começar agora!

Como investir no Tesouro Direto: tudo para começar agora!

uma mão segurando uma centa e apontando para um gráfico em uma tela de computador com um painel do mercado financeiro ao fundo.

O mundo dos investimentos alcançou uma grande popularidade no Brasil nos últimos anos. Um dos maiores causadores disso é o Tesouro Direto que possui uma rentabilidade maior do que a da poupança e permite o investimento com valores mais baixos. Por isso, se você quer descobrir como investir no Tesouro Direto, acompanhe esse artigo!

O que é Tesouro Direto?

Tesouro Direto é um título público de renda fixa emitido pelo Governo Federal. Seu principal objetivo é democratizar e facilitar a venda dos títulos públicos federais para pessoas físicas pela internet, aumentando a base de investidores nacionais.

Se quiser entender melhor o que é o Tesouro Direto, leia nosso artigo clicando aqui!

Como funcionam os rendimentos?

Os rendimentos do tesouro direto são variáveis pois dependem de alguns fatores como tipo de título e data de vencimento. A rentabilidade do tesouro direto vai depender da Taxa Selic, que são os juros básicos da economia brasileira.

Isso quer dizer que, com a Taxa Selic a níveis menores, a rentabilidade do Tesouro Direto está menor em comparação a alguns anos atrás. Mas, ainda assim, o Tesouro Direto continua sendo uma ótima opção para quem está querendo começar a investir.

Quando você investe em algum título do Tesouro Direto, está “emprestando” dinheiro ao governo. Nesse empréstimo os juros serão somados, ou seja, a rentabilidade e, no vencimento do investimento, o valor será corrigido e devolvido a você. 

Quais as possibilidades de investimento?

Antes de começar a investir no Tesouro Direto, você precisa definir o prazo que quer deixar o dinheiro sendo investido e qual o nível de risco que pode correr. Após isso, chegou a hora de escolher o título que se encaixa melhor em seu planejamento. Há três grupos de títulos: 

Prefixados

No momento de fechar o negócio, você já sabe de quanto será o seu retorno resgatando o título apenas no seu vencimento

Pós-fixados

Nesse tipo de título você só saberá o seu retorno no momento do resgate, já que essa modalidade está diretamente ligada ao indexador que pode sofrer alterações.

Híbridos

Os títulos híbridos têm parte do retorno definido na hora da compra e a outra parte fica atrelada à inflação.

Por onde aplicar?

No investimento do Tesouro Direto, você encontra cinco alternativas de aplicação em títulos de renda fixa que variam em relação ao seus grupos:

Tesouro Selic (LFT)

O Tesouro Selic é um título pós-fixado, em que a definição de seu retorno é feita pela variação diária da SELIC, a taxa de variação de juros. O cálculo do valor é feito entre a data de compra e a data de vencimento do título.

É recomendado para o perfil do investidor mais conservador, que não sabe quando pode precisar resgatar seu investimento.

Tesouro Prefixado (LTN)

Como você viu antes, os títulos prefixados são o tipo de investimento em que o comprador já sabe qual será seu retorno no momento da compra. A definição da rentabilidade é acontece pela diferença entre o preço da compra e seu valor nominal.

O Tesouro Prefixado é recomendado para quem pode esperar até o final do período de investimento, sendo um título ideal para quem quer resgatar seu retorno a longo prazo.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F)

Esse título dá o retorno ao investidor no decorrer do período da aplicação, sendo tributados de acordo com a tabela de imposto de renda, ou seja, antes do vencimento do título você possui um fluxo de caixa. Nesse caso, você tem a opção de sacar o valor ou continuar investindo.

Tesouro IPCA (NTN-B Principal)

Com categoria híbrida, esse título é composto por pagamentos simples em que o investidor receberá o valor investido mais a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). 

O Tesouro IPCA é indicado àqueles que possam esperar até o final do investimento, mas caso isso não seja possível, o Tesouro Nacional recompra o título com o valor de mercado, podendo não trazer o retorno estipulado.

Tesouro IPCA com Juros Semestrais (NTN-B)

Sendo um título híbrido, o investidor possui um aumento de poder de compra. Isso porque a correção do valor é feita de acordo com o IPCA somado a uma taxa de juros prefixada.

O Tesouro IPCA com Juros Semestrais e o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais são ótimas escolhas para investidores que buscam complementar sua renda.

O Tesouro Direto possui taxas?

Para entender como investir no Tesouro Direto saiba que nesse tipo de transação também há taxas. Há a cobrança de duas taxas, uma pela BM&FBOVESPA que possui uma taxa de custódia de 0,3% ao ano referente a guarda de títulos, informações e movimentações.

Todavia, a outra taxa é acordada com o investidor e é feita pela instituição financeira escolhida.

Como escolher um banco?

Com o mercado de investimentos crescendo, é ideal que você procure por bancos e instituições financeiras que não cobram taxas, qual pode te oferecer o melhor custo-benefício e que não cobre por serviços adicionais.

São várias opções de credoras, cada uma com suas especificações, por exemplo, é possível começar a investir no Tesouro Direto pela internet sem precisar sair de casa!

Antes de escolher qual a melhor corretora, defina seus objetivos com aquele investimento, procure uma instituição que tenha um bom atendimento e se informe no assunto para que não sofra nenhum tipo de golpe.

Você acabou de aprender como investir no Tesouro Direto e percebeu que é uma ótima escolha para quem quer começar a investir. Descubra qual o seu perfil de investidor, planeje, pesquise, se informe e procure a credora que te ofereça o melhor custo-benefício. 

Bom investimento!

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.

Marcações: