Início » Gestão Financeira » Gestão financeira pessoal: 5 dicas para cuidar do seu dinheiro

Gestão financeira pessoal: 5 dicas para cuidar do seu dinheiro

Mulher dentro de casa mexendo em um notebook fazendo sua gestão financeira pessoal

Muitas pessoas não possuem o hábito de ter um controle da sua renda e, algumas delas, podem possuir dívidas maiores que o orçamento. A melhor forma para evitar essa situação é começar a aplicar uma gestão financeira pessoal que ajudará a cuidar do seu dinheiro de uma maneira mais fácil.

Primeiramente, entenda que para começar a controlar os seus gastos você não precisa se desesperar. Anotar tudo pode parecer cansativo, mas esse hábito te ajudará a lidar com o seu dinheiro de uma forma mais saudável.

O que é gestão financeira pessoal?

Gestão financeira pessoal ou controle financeiro pessoal é a prática de anotar todas as despesas e ganhos a fim de se organizar melhor financeiramente. Esse controle pode ser feito por dia, semana ou mês, tudo vai depender da sua rotina de consumo.

Junto com os registros dos seus gastos, uma série de práticas podem te auxiliar a poupar mais e evitar gastos supérfluos. É importante relembrar que o maior beneficiado com essa organização é você mesmo já que, aos poucos, vai perceber que a gestão financeira trará mais segurança e pode te deixar mais perto daquele sonho!

Como fazer minha gestão financeira?

Para que você comece sua organização financeira da melhor forma, vamos deixar aqui 5 dicas. Acompanhe!

Organize suas contas

O momento de organizar os ganhos e as despesas é um dos mais importantes para começar sua gestão financeira pessoal. Nessa etapa, procure quitar todas suas dívidas ou contas atrasadas. Isso te ajudará ao longo do processo de organização, portanto busque negociações favoráveis com as empresas que está devendo, assim ambos saem ganhando.

Com suas dívidas quitadas, comece a estudar sua renda, saiba de onde vem os lucros, ou se alguém está te devendo dinheiro. Além do salário, anote todos os recebíveis mensais, por exemplo o valor de algum imóvel que você aluga ou algum pagamento extra.

Essas informações te ajudarão a calcular qual o seu custo de vida, quais seus gastos fixos e variáveis e, com isso, você calcula o valor médio das contas no mês. Ao descobrir esse valor, tenha em média que é ele quem vai direcionar para onde vai o seu dinheiro.  

Conheça os seus gastos

Depois de anotar tudo, veja detalhadamente todos os seus gastos. Faça uma análise das contas que podem ser reduzidas, descubra todos os seus gastos extras e as despesas supérfluas.

Uma boa maneira para entender todas as suas despesas é dividi-las por categorias e informar a porcentagem do seu orçamento que aquela atividade toma. Por exemplo:

  • Moradia: 25%
  • Supermercado: 15%
  • Saúde: 15%
  • Lazer: 10%
  • Telefone: 10%
  • Transporte: 25%

Com as informações distribuídas dessa forma, você consegue criar um gráfico e visualizar melhor para qual categoria o seu dinheiro está indo.

Não esqueça de anotar todos os seus gastos, desde o presente para um amigo até o cafezinho, tudo precisa ser anotado! Esse controle te ajudará a poupar e pode mudar sua rotina, já que ao analisar as contas você pode perceber que está gastando muito dinheiro com coisas que não são tão necessárias.

Descubra onde é possível economizar

Com toda essa análise, talvez você entre em desespero pois acredita que não consegue poupar seu dinheiro. Mas você pode economizar com o simples!

Para as contas que podem ser reduzidas, uma boa dica é começar com pouco. Por exemplo, passar menos tempo no banho ou apagar a luz caso não tenha ninguém no cômodo. Comece com o pouco que você verá a diferença que essas ações irão trazer no final do mês. Também é possível economizar no transporte, optando por uma caminhada quando a vontade de chamar um táxi aparecer.

Não tenha vergonha de comparar os preços dos produtos. Sites como o Zoom são ótimas alternativas para quem quer comprar um produto com uma oferta melhor.  

Nessa etapa, é importante controlar as compras compulsivas. Esses desejos podem ser grandes vilões para quem está começando a estabelecer uma relação saudável com o seu dinheiro. Evite ao máximo esse gasto supérfluo e pense que esse dinheiro pode ser usado para quitar uma outra dívida.

Perceba que essas mudanças econômicas começam gradativas, tenha em mente que cada centavo poupado é um bom começo para melhorar a gestão pessoal dos seus gastos. E, além de poupar dinheiro, você está se planejando para alcançar aquele sonho tão esperado!

Planeje sua organização financeira

Com todas as dívidas pagas e seus gastos anotados, é hora de definir metas! Não é simplesmente ter um dinheiro que sobrou no final do mês, mas dar um objetivo para aquela economia. Pode ser um sonho em família ou uma realização pessoal, mas independente da ocasião, encontre um objetivo para esse dinheiro economizado.

Uma de suas metas pode ser criar um fundo de emergência. A reserva será seu porto seguro caso ocorra algum imprevisto, pois contará com uma quantia mês a mês que pode cobrir um gasto inesperado. Você pode guardar de 10% a 15% da sua renda e destiná-lo para esse fundo ou pode estabelecer um valor fixo.

Outra dica é limitar os seus gastos variáveis, destinando uma quantia para cada categoria que você listou anteriormente. Por exemplo, gastar 5% do seu orçamento para comprar algum acessório ou roupa. Esse limite te ajudará a poupar ainda mais e também não te priva de adquirir algum bem.

Pense em investir

Se você chegou aqui, é importante saber que você pode fazer o valor economizado render ainda mais com investimentos. Saiba que, ao deixar seu dinheiro em uma poupança, ele está parado, ou seja, sua rentabilidade é muito pequena quando comparada a alguns outros investimentos.

Antes de querer aplicá-lo, pesquise e estude todas as opções de investimento, se prefere investir em ações de rendimento fixo ou variável e quais os riscos dos investimentos. Investir está se tornando cada vez mais democrático e é uma boa oportunidade para aumentar sua renda.

Qual o melhor lugar para anotar meus gastos?

Em uma rápida pesquisa, é possível encontrar diversas planilhas e apps de gestão financeira que podem ser de grande auxílio para quem quer começar a administrar melhor as contas. Algumas planilhas podem parecer confusas e trabalhosas, por isso os aplicativos estão começando a se popularizar.

Você encontra apps que podem mostrar seus gastos em gráficos, sincronizam suas transações bancárias e são bem fáceis de usar. Já é possível encontrar alguns aplicativos que podem ser acessados por desktop e várias outras funcionalidades que se encaixam no seu dia-a-dia.

Caso não queira nem os apps nem as planilhas, compre um caderno e organize suas contas. Independente do modo de fazer, o importante é começar sua gestão financeira pessoal e alcançar seus objetivos com uma boa relação com seu dinheiro!

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.

Marcações: