Início » Método 50 30 20: tudo o que você precisa saber

Método 50 30 20: tudo o que você precisa saber

pessoa operando uma calculadora para fazer o método 50 30 20

O momento de organizar os gastos pode ser um processo cansativo e confuso. Ao escolher as estratégias para lidar melhor com suas despesas são várias, mas uma das técnicas mais famosas e eficazes é o método 50 30 20

Nesse artigo vamos te explicar mais sobre o método 50 30 20, como aplicar esse método na sua organização, quais suas vantagens e muito mais. Boa leitura!

O que é o método 50 30 20?

Ao iniciar a gestão pessoal de suas finanças, você deve ter chegado no momento de definir metas, objetivos e estratégias. O método 50 30 20 é uma das principais referências para te orientar na hora de definir limites de gastos.

Nesse método, 50% do seu orçamento deve ser destinado para os gastos fixos e essenciais, 30% para suas vontades pessoais e 20% deve ser reservado para quitar dívidas e, caso não tenha, ele serve como uma economia.

Ficou confuso? Por isso, vamos falar de cada porcentagem separadamente para te explicar sobre cada detalhe desse método. Acompanhe!

Gastos fixos e essenciais – 50%

Nos gastos fixos se encaixam todas as despesas essenciais, aqueles gastos que são obrigações a serem pagas, por exemplo:

  • Alimentação;
  • Moradia;
  • Saúde;
  • Contas de consumo (água, luz, internet), entre outros

Faça uma análise do que é essencial ao dedicar metade da sua renda para essas despesas, já que o que é uma necessidade básica para você pode não ser para outras pessoas. Então, procure se basear na sua rotina e em suas necessidades e direcione esse gasto para os 50%.

Gastos Pessoais – 30%

Seguindo a metodologia, esses 30% são destinados para o seu conforto pessoal, por exemplo:

  • Um jantar;
  • Ir à academia;
  • Comprar roupas;
  • Viagens, entre outros

Esse valor é voltado para você realizar algum desejo ou vontade sem culpa. Porém, esse item pode ser perigoso e acabar trazendo mais dívidas, o que atrapalha diretamente sua organização financeira. 

É importante seguir o seu planejamento dentro do método 50 30 20, já que você pode ter algum objeto de desejo que custe um pouco a mais do valor que foi predestinado a ele. Caso isso aconteça, economize esses 30% para conseguir adquirir o bem sem precisar parcelar, como essa porcentagem é para um gasto supérfluo, é mais fácil poupá-la.

Quitar dívidas – 20%

Os 20% restantes do seu orçamento são para economizar ou quitar suas dívidas. Caso esteja com alguma pendência financeira, tente quitá-la com esse valor, por exemplo, você pode entrar em contato com a empresa que está devendo e tentar negociar sua dívida. 

Se todas as suas contas estão quitadas e você ainda não começou uma reserva de emergência, esse valor pode ser um bom começo. Não precisa reservar os 20% para os fundos emergenciais, mas caso seja melhor divida esse valor para alcançar uma meta ou um objetivo traçado no início da sua organização financeira.

Um outro bom destino para esse valor são os investimentos. Você pode encontrar ações e modalidades de investimentos que cabem no seu bolso e rendem mais que a poupança. Ao investir, seu dinheiro não fica parado e ainda pode ser uma grande ajuda para conseguir alcançar algum sonho.

Quais as vantagens no método 50 30 20?

O método 50 30 20 é uma boa regra para se basear para quem está começando seu caminho na organização financeira. Com ele, é possível compreender melhor para onde vai o seu dinheiro, como conseguir poupar e ajudar no controle das compulsões.

Muitas pessoas acabam acreditando que administrar suas finanças é sinônimo de cortar gastos, mas com esse método é possível ver que você pode economizar sem “passar vontade”. Ao destinar uma quantia para determinadas finalidades, você consegue ajustar a sua renda de acordo com suas necessidades.

No entanto, é importante se manter fiel às porcentagens. Se para os gastos pessoais são destinados 30%, não tente tirar 10% dos gastos essenciais caso sobre. Pegue esse valor excedido e aplique em sua reserva de emergência ou use para quitar uma dívida.

Aplicando o método 50 30 20 em sua gestão pessoal, você vai notar oportunidades de poupar, investir e fazer o seu dinheiro render. Essas ações simples podem te ajudar a alcançar a tão sonhada independência financeira e conquistar um sonho antigo!

Como aplicar esse método na minha organização financeira?

Para começar a usufruir das vantagens do método 50 30 20, você precisa começar a se organizar financeiramente. Anotar os gastos e quitar as dívidas são ações cruciais para começar a controlar suas despesas e estabelecer suas metas.

Você pode fazer esse controle em diversos meios, como planilhas, aplicativos para controle de gastos e até separar um caderno exclusivamente para isso. Esse hábito te ajudará a manter uma relação melhor com suas dívidas, evitando problemas maiores e prevenir possíveis imprevistos.

Assim que tudo estiver organizado, você pode começar a calcular quanto vale cada porcentagem dentro da sua renda. Pode ser que ocorram alguns cortes em compras que você considere desnecessárias, mas não desanime! O ato de poupar e se organizar começa a dar resultados com o tempo, o mais importante é começar e não desistir.

Conclusão

A organização financeira está deixando de ser um problema e se tornando uma aliada para quem busca poupar e evitar grandes dívidas. Dentro dela, o método 50 30 20 é um dos mais famosos e eficazes meios para quem quer estabelecer melhor a destinação de sua renda.

Ao definir a porcentagem e encaminhá-la para um fim pré-estabelecido, fica mais simples para você saber quanto e como o seu dinheiro está sendo gasto. Esse método deve ser seguido à risca para que tenha a finalidade esperada, por isso, fique de olho em cada centavo.

Gostou de aprender mais sobre o método 50 30 20? Se tiver alguma dúvida sobre esse ou outros assuntos de finanças, deixe nos comentários e não deixe de acessar nosso blog!

nv-author-image

Rebeca Müller

Rebeca Müller é formada em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e especializada em Finanças pelo Instituto Coppead de Administração da UFRJ. Depois de 11 anos atuando diretamente com Planejamento Financeiro e Orçamentário em empresas privadas e órgãos públicos, Rebeca descobriu uma nova vocação: comunicação. Hoje, ela escreve para a Zelas Finanças, e seu conteúdo conta com a rica bagagem que acumulou ao longo de sua trajetória no mercado financeiro.

Marcações: